Artigos e entrevistas

A missão de ajudar a construir o RN

31 maio, 2015

O deputado Ezequiel Galvão Ferreira de Souza, PMDB, presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte,  está em seu quarto mandato. Em entrevista, o parlamentar fala sobre a importância de resgatar a história dos 180 anos da Assembleia, os seus planos como gestor e os desafios que o Parlamento tem em uma nova realidade política e social. Para ele, o Parlamento potiguar vem alcançando novos espaços, graças a uma atuação que vai além do papel de legislar e fiscalizar o Executivo. Cada vez mais próxima da população, a Assembleia Legislativa vem contribuindo para a construção do Rio Grande do Norte de uma forma mais democrática, plural e interativa.



Ezequiel Ferreira: "o Parlamento potiguar é o símbolo da democracia. Nestes 180 anos, passaram por aqui deputados estaduais com diferentes atuações, posicionamentos e representando todas as regiões do Rio Grande do Norte"Ezequiel Ferreira: "o Parlamento potiguar é o símbolo da democracia. Nestes 180 anos, passaram por aqui deputados estaduais com diferentes atuações, posicionamentos e representando todas as regiões do Rio Grande do Norte".

Para o Senhor, o que representa estar presidindo a Assembleia Legislativa no ano em que a Casa completa 180 anos?
O Parlamento potiguar é o símbolo da democracia. Nestes 180 anos, passaram por aqui deputados estaduais com diferentes atuações, posicionamentos e representando todas as regiões do Rio Grande do Norte. E hoje, no ano em que a Casa comemora 180 anos é uma honra presidir sessões, audiências públicas e conduzir a Casa do Povo ao lado da Mesa Diretora e dos 24 deputados estaduais. Celebrar esta data é mais do que uma comemoração, é a certeza de que estamos no caminho certo, crescendo e superando desafios. Entre eles, o de estarmos cada vez mais atentos, plurais e interativos com os anseios da sociedade.

A sua família tem tradição no Legislativo, o senhor é o 12º membro da família a assumir uma vaga na Casa. Seu pai Ezequiel Ferreira, também foi presidente da Assembleia. Para o senhor, política é vocação?
Eu cresci acompanhando o trabalho dos deputados no Legislativo. Lembro que durante a infância e adolescência eu frequentava a Assembleia com meu pai Ezequiel Ferreira e, é claro, que esta aproximação me encantou e norteou a minha decisão de ingressar na vida pública através do Parlamento. As histórias dos meus familiares fazem parte destes 180 anos. Minha tia, Maria do Céu, foi a primeira mulher eleita deputada no Rio Grande do Norte. Meu pai, Ezequiel Ferreira, foi presidente da Assembleia e um visionário na luta para que a Casa tivesse sede própria e no Governo de Cortez Pereira assegurou a desapropriação do terreno onde hoje está sediada a sede do Legislativo. Mais do que uma tradição familiar, há na família uma vocação clara de servir a população do nosso Estado.  

Quais os avanços que a AL teve em todos esses anos?
Ao longo desses 180 anos, a Assembleia trabalhou por novas condições de justiça e igualdade, onde os projetos e leis aprovados transformam positivamente a vida das pessoas. A Assembleia foi além do trabalho fiscalizador e legislador, chegou mais perto da sociedade, através da interiorização dos projetos como Assembleia Cidadã e Assembleia Itinerante. Os nossos veículos de comunicação estreitam cada dia mais o nosso diálogo com os potiguares. A rádio, a TV, o portal e as mídias sociais contribuem para a transparência do trabalho desenvolvido do Legislativo. Projetos como o Instituto do Legislativo Potiguar e o Procon Legislativo oferecem mais serviços e cidadania para a população.

Quais são os desafios que a Assembleia tem a partir de agora?
O nosso empenho é tornar o Legislativo uma Casa ainda mais transparente, interativa e de resultados para a população. Mais do que elaborar projetos e leis, a Assembleia tem como missão ajudar a construir, com toda a sua pluralidade, a história do Rio Grande do Norte, representando os potiguares.

Quais os planos que o senhor tem para a gestão da Assembleia nos próximos anos?
Modernizar a Casa Legislativa e desenvolver novos projetos para cuidar das pessoas. O poder legislativo deve  apoiar novas ações na educação, cumprindo o seu papel de representar a sociedade potiguar, promovendo o Estado democrático de Direito, legislando e fiscalizando o poder executivo, compatibilizando com o interesse da sociedade, sendo referencial de excelência na ação legislativa e seus valores. Nosso plano para a Assembleia dos próximos anos inclui ainda a valorização dos servidores, a convocação dos concursados ainda este ano e o incentivo à pacitação. Nosso trabalho será pautado sempre na ética, igualdade, liberdade de expressão, respeito e transparência. Esse é o nosso objetivo e desafio.

O Brasil vive um momento de maior participação social na política. Com essa nova realidade, muda também o papel do deputado?
A Assembleia legislativa completa 180 anos em um contexto social e político diferente de quando a Casa foi fundada. Hoje, há uma maior participação da sociedade, que cobra mais empenho de seus representantes. Conscientes disso, os deputados devem ultrapassar a função histórica de legislar e fiscalizar. Precisam estar mais próximos da população e atentos aos seus anseios, sonhos, interesses e necessidades.

Fonte: Tribuna do Norte.